Sobre a Casa da Criança e Associação Jovem Aprendiz

Na década de 40 Osvaldo Cruz integrava a Comarca de Lucélia, uma das maiores comarcas do Estado de São Paulo. Seus domínios iam de Tupã até as barrancas do Rio Paraná.

Em 1951, o Dr. Romeu Coltro, ainda muito jovem, foi designado Juiz de Direito desta Comarca, com jurisdição sobre oito municípios, e, por um fato ocorrido em 1953 seu nome ficou ligado à história de Osvaldo Cruz.

Um dia ele manifestou ao advogado e presidente do Rotary Club de Osvaldo Cruz, Dr. Arthur  Verri, o desejo de participar de uma reunião do clube. Numa destas reuniões ele esteve presente e lançou a ideia de que nossa comunidade deveria construir uma casa destinada às crianças abandonadas, colocando-se à disposição onde sua presença fosse necessária.

Sensibilizados, o Rotary e Prefeitura programaram colocar a ideia em prática, através de subscrição pública, quando receberam a noticia por intermédio do advogado João Guerra, de que a família Wirth se prontificava a custear a construção da obra, inclusive doando a área de terreno necessária.

A área e o local foram definidos, a planta foi elaborada pelo engenheiro e prefeito Orlando Bergamaschi e a construção iniciada e concluída no mandato de seu sucessor Breno Ribeiro do Val.

Em assembleia realizada com representantes das lideranças da comunidade, foram aprovados os estatutos da entidade com a denominação de “CASA DA CRIANÇA DE OSVALDO CRUZ” e eleita à diretora provisória.

A princípio, as autoridades designaram um casal para cuidar do local sob a supervisão do Meritíssimo Juiz de Direito. Passando algum tempo, o então Juiz de Direito da Comarca, Dr. Jairo Orlandi, decidiu pela eleição de uma diretora para assumir a reponsabilidade de dirigir todos os trabalhos inerentes àquela entidade. Sendo assim, foi eleita a primeira diretoria em 15/10/1957, tendo como a primeira Presidente: Sra. Ruth de Carvalho Baggio.

Equipou-se as dependências com móveis, geladeira, fogão maior e louças em geral, graças a campanhas realizadas e Livro de Ouro. Criou-se também nesta época uma Biblioteca infantil, a qual foi inaugurada com o nome de Ruth Wirth, membro da família Wirth falecida àquela época aos 6 anos de idade. Posteriormente, sob a orientação do Meritíssimo Juiz, a Casa foi reconhecida como pessoa jurídica, quando então passou a receber algumas verbas oficiais, para sua manutenção. Seus balancetes sempre publicados nos jornais locais.

Vinte anos depois o edifício anexo destinado à Creche, foi inteiramente construído a expensas da Prefeitura Municipal, no mandato do Prefeito Manoel Farias de Novaes (1969 a 1973).

A Casa da Criança e Creche receberam o nome de “Casa da Criança e Creche Rodolfo Zaros”.

A entidade passou por várias diretorias, tendo sido as crianças sempre muito bem cuidadas.

 

O INCÊNDIO

 

Na madrugada do dia 06 de Setembro de 2001, quando a cidade ainda dormia o fogo começou a queimar a Casa da Criança. Uma língua de fogo, talvez oriunda de um curto circuito na rede elétrica, se propagou e rapidamente destruiu tudo. O telhado veio abaixo e tudo virou cinzas. Felizmente todas as vidas foram poupadas.

Havia, na época, 17 crianças/adolescentes abrigados. O prédio anexo, onde funcionava a Creche que atendia 58 crianças, na faixa etária de 6 meses a 6 anos, também foi totalmente destruído pelo fogo, ficando seu atendimento prejudicado, sendo necessário remanejar as crianças ali atendidas para outras creches do município. Os bombeiros levaram os desabrigados para a Corporação até que o dia acabasse de chegar e outras providências fossem tomadas. Os pequenos foram com a caseira para as instalações do Projeto sócio-educativo Criança Feliz, e os maiores para as casas de parentes, quando os tinham. Logo em seguida, foram acolhidos na Casa do Noviciado das Irmãs que estava temporariamente fechada e onde deveriam permanecer por um período de mais ou menos 6 meses, até a liberação da moradia junto à antiga CODESP.

 

A ASSOCIAÇÃO JOVEM APRENDIZ

No ano de 2004, com a união dos três setores da sociedade – “Poder Público”, “Empreendedores Econômicos” e “Empreendedores Sociais” – em parceria com o Rotary Club Califórnia, Associação Comercial e Industrial de Osvaldo Cruz e Sindicato do Comércio Varejista, foi fundada a Associação Jovem Aprendiz de Osvaldo Cruz – AJA que veio preencher uma lacuna existente no município com ausência de programas de profissionalização de adolescentes, com o fim específico de ministrar Cursos Profissionalizantes, em atendimento ao Art2° da Portaria de n°702, de Dezembro de 2001, que prescreve o programa de aprendizagem para o desenvolvimento de ações de educação profissional, em nível básico.

Através do Programa Pedagógico registrado no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, a entidade desenvolve os cursos como se segue:

Rotinas Administrativas

Serviços de Supermercados

Montador, Costureiro e Estofador de Móveis.

Costura Industrial

 

Com esta formação a entidade tem como objetivo contribuir para a ascensão de adolescentes e jovens. Promover sua autoestima, a solidariedade e a consciência de cidadania, estes jovens acabam com o sentido de vida. Só a educação, a cultura, o lazer, o esporte e a profissionalização poderiam mudar tudo isto.

A entidade iniciou seu trabalho atendendo 13 Jovens Aprendizes (de 14 anos até 18 anos), hoje consoante às alterações da Lei 10.097/2000 (que altera a condição de Aprendizes para jovens de 14 anos completos há 24 anos) presta atendimento de 150 jovens com registro em carteira, tendo seus direitos previdenciários e trabalhistas assegurados. Além dos efetivamente registrados, a entidade conta com aproximadamente 500 jovens cadastrados para o encaminhamento ao mercado de trabalho.

 

A INCORPORAÇÃO

No ano de 2005, a Associação Jovem Aprendiz de Osvaldo Cruz, estabeleceu Convênio Técnico Financeiro com a Casa da Criança Ruth Wirth e Creche Rodolfo Zaros, através de UPS (Unidade de Prestação de Serviços), denominada Programa de Aprendizado para o trabalho, visando proporcionar profissionalização de jovens internos da entidade bem como aos outros Aprendizes cadastrados na entidade. Esta integração persistiu por um ano, quando as duas diretorias, avaliando as necessidades de ambas, decidiram através de assembleia realizada em 31/07/2006, unificar as entidades.

Desta incorporação, ficou constituída da Casa da Criança Ruth Wirth e Associação Jovem Aprendiz de Osvaldo Cruz com fins específicos de: Abrigo às crianças adolescentes até 18 anos de idade e Formação Profissional e Inserção ao Mercado de Trabalho, conforme Lei 10.097/2000, os Jovens Aprendizes de 14 anos a 24 anos.

As necessidades que culminaram com a incorporação das entidades foram estabelecidas devido a situação as crianças/adolescentes.

O ABRIGO – funcionava precariamente, em uma casa cedida pela Prefeitura Municipal, localizada no Almoxarifado do município. Devido esta precariedade, o abrigo atendia, 10 infantes do sexo masculino, divididos entre crianças e adolescentes, obrigando o Poder Judiciário a recorrer a outros municípios da região quando necessitava de uma vaga.

A RECONSTRUÇÃO

Em decorrência de todos os fatos aqui relatados, apresentaram o Projeto de Reconstrução da Casa da Criança Ruth Wirth e Associação Jovem Aprendiz de Osvaldo Cruz, no mesmo local onde era construída, destacando que a área existente é de propriedade da própria entidade, com registros regularizados.

O projeto apresentado foi avaliado em R$ 500.000,00 (Quinhentos mil reais), cujos recursos foram arrecadados em parte pela entidade, através de doações, promoções e eventos.

Sob a ótica financeira o valor é expressivo, mas o lucro social superou qualquer expectativa, pois o maior investimento é o ser humano, mais especificamente os jovens, que são o futuro do nosso país.

Não oferecer oportunidades custa caro: é o custo da violência, da discriminação, da desesperança e da insegurança social. Custo muito alto, mas que a sociedade osvaldocruzense através da união dos três setores da sociedade pretende reverter.

Missão: Promover a inclusão social por meio de ações socioeducativas, dando a oportunidade ao primeiro emprego legal e a integração do Jovem ao Mercado de Trabalho.

Visão: Ser uma Instituição sem fins lucrativos reconhecida pela liderança, excelência, inovação e impacto social, criando a oportunidade a; proteção dos direitos, inclusão social; valorização da constituição de família e o a formação profissional.

Valores: Amor ao próximo, Família, Ética, Moral, Respeito, Excelência, Responsabilidade social, Humanidade. Transformando jovens, dando a eles um futuro melhor e promissor.